Riscos de usar chupeta

Saiba quais são os riscos de usar chupeta
e como ajudar a criança a deixá-la para sempre

O item, popular no Brasil, oferece mais malefícios que benefícios à saúde da criança



Por Dra. Priscila Zanotti Stagliorio

Muitas mulheres, antes de se tornarem mães, defendem teorias incríveis sobre como é fácil tirar o uso de chupetas, mamadeiras e objetos de transição das crianças. Para quem nunca viveu tal experiência parece fácil como uma fórmula mágica: basta “esconder”, negar uma ou duas vezes o produto para a criança e, pronto, tudo resolvido! Seria ótimo se isso fosse real, mas na prática não é bem assim que funcionam as coisas.

Depois que nos tornamos mães, muitas teorias caem sobre a terra e não parecem ter fundamento algum. Mas isso só acontece quando sentimos na pele a responsabilidade e dificuldades de cuidar de um bebê e de uma criança por 24 horas por dia. No texto de hoje, além de falar um pouco sobre os desafios da maternidade, pretendo focar na importância do afeto e no cuidado ao adquirir acessórios e produtos que ajudam no desenvolvimento das crianças.

Para começar, vou falar sobre um item considerado para algumas mamães como indispensável e para outras um pesadelo. Falo sobre a chupeta, famosa por acalmar o bebê já nos primeiros dias de vida e vilã para inúmeros outros motivos que podem prejudicar o desenvolvimento da criança. No Brasil, é comum e cultural a indicação do uso deste artigo entre as famílias e, devido ao seu valor acessível, não é raro vermos diversas marcas e modelos à disposição nas lojas sem qualquer fiscalização e ou recomendação adequada.

Antes de falar sobre os benefícios ou problemas que a chupeta pode ocasionar para as crianças, é interessante dizer que o bebê, ainda dentro do ventre da mãe, já pratica a sucção como reflexo de sobrevivência, possível de ser visto nas ultrassonografias quando estão com os dedinhos dentro da boca. Para os leigos, isso pode caracterizar como um ato fofo e bonitinho do bebê, mas vai muito além disso. A sucção é uma necessidade fisiológica natural do ser humano e o fazemos para sobrevier (aleitamento materno) e, quando bebês, para a liberação de endorfina – hormônio responsável pela sensação de prazer e bem-estar, segurança afetiva, regulador da dor, humor, ansiedade e estresse. Após esclarecer sobre a sucção, prática recorrente do bebê que usa a chupeta como auxiliador para se acalmar e ou dormir, vamos ao passo dois – falar sobre os benefícios e malefícios que este objeto provoca:

Benefícios:
- Não existem benefícios cientificamente comprovados para o uso da chupeta. Alguns estudos abordam o uso da chupeta no combate da síndrome da morte súbita do lactante, um fenômeno que acontece durante o sono dos bebês sem diagnóstico médico. Mas não há indícios fortes que possam ser considerados como importantes para a indicação do uso de chupetas em bebês na hora de dormir.

Malefícios:

São muitos os motivos para não aderir a chupeta, do ponto de vista de saúde e bem-estar da criança. O seu uso promove diversos problemas que vão desde o desenvolvimento psíquico (dependência) como, também, prejudica a amamentação (a criança pode recusar o peito e ou diminuir consideravelmente as mamadas), altera o desenvolvimento ósseo da mandíbula, promove problemas ortodônticos e coloca a saúde em risco à bactérias e vírus alojados na superfície e parte interna do látex ou borracha do produto, sem falar no perigo dos assessórios como brilhos, pérolas, bigodes e outros itens que são chamariz para que os pais comprem para bebês.

Importante:
Vale dizer, também, que a sucção da chupeta em nada se assemelha com a sucção da amamentação no seio materno. O afeto é construído neste momento, quando há contato direto da mãe para com o filho (a), e, ainda durante a amamentação, além de receber nutrientes, vitaminas e o alimento para a vida, a criança respira de maneira adequada, os ossos da face, mandíbula e músculos da mastigação se desenvolvem dentro do padrão esperado e não há riscos de infecções por contato com objetos contaminados.

Como fazer a criança desapegar da chupeta:

Tão difícil como corrigir uma birra infantil, retirar o habito da chupeta é algo que deve ser feito com calma e com cuidado para evitar traumas na criança. Lembre-se que tudo começou com a necessidade de acalentar e tornar a vida do bebê menos estressante – esse é o maior motivo que os pais aderem ao uso de chupetas – e, pelo mesmo motivo, deve-se agir com carinho preparando a criança para o definitivo “tchau” ao objeto. Para isso não existe fórmula mágica ou exemplos que podem e devem ser seguidos. Cada mãe e pai deve desenvolver uma técnica particular de como retirar a chupeta do convívio da criança. Como dica, sempre que a criança pegar a chupeta converse com ela e a distraia para outra atividade, como a leitura de um livro, uma brincadeira ou mesmo um abraço carinhoso. Aos poucos, sem que ela perceba, o hábito da chupeta será esquecido. O mesmo processo vale para o uso de mamadeiras e acessórios de transição. Chame a atenção para outros itens que despertem autonomia e bem-estar para a criança.

Considerações finais:
Ostentar chupetas e mamadeiras personalizadas com estrasses ou bigodinhos, por exemplo, não é legal para a criança. Caso seja algo muito sonhado pelos pais, coloque na criança ou aproxime dela apenas para tirar uma foto e nunca mais use. Esses objetos (sobretudo os importados da china) são inapropriados para o uso e podem soltar peças promovendo acidentes como engasgo e introdução nos orifícios do nariz e ouvido, além de provocar alergias nos pequenos. Siga as orientações do pediatra e procure comprar produtos com o selo de recomendação do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial) e tenha os melhores momentos em família.

Quer receber dicas de saúde e bem-estar?
Então cadastre-se no nosso site (http://pediatraonlinedicasdepediatraemae.blogspot.com.br) e curta a nossa página no Facebook – Pediatra On line - @dicasdepediatraemae

Sobre Dra. Priscila Zanotti Stagliorio
É médica pediatra há mais de dez anos, atua na zona norte de São Paulo, em consultório particular, no Pronto Socorro do Hospital São Camilo – unidade Santana, e na rede Dr. Consulta – unidades Tucuruvi e Santana. Em seu currículo possui diversas participações em congressos, cursos de especialização e atuações em prontos socorros, clinicas e ambulatórios médicos da grande São Paulo – Capital. Oferece curso personalizado para gestantes e mamães com recém-nascidos, com o objetivo de ajudá-las na mais importante missão de suas vidas: ser mãe. Para solicitar informações sobre os cursos escreva para:  priscilazs@yahoo.com.br / dicasdepediatraemae@gmail.com / contato@jcgcomunicacao.com - coloque no assunto a informação que deseja saber e ou solicitar. O consultório está localizado na Av. Leôncio de Magalhães, 395, Santana- SP / 11- 2977-8697.



Colaboração textual:
Agência JCG Comunicação e MKT
Jornalista Carina Gonçalves – MTB 48326

11-4113-6820 / contato@jcgcomunicacao.com